DSpace
Portal do Conhecimento
  Português | Inglês

Portal do Conhecimento >
Repositórios Científicos >
CNIDA – Centro Nacional de Informação e Documentação Agrária >
CNIDA - Documentos INIDA >

Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10961/3627

Título: Identificação do Vírus do Frisado Amarelo do Tomateiro (TYLCV) e do Vírus do Mosaico do Tomateiro (ToMV), na Cultura de Tomate na Ilha Santiago, Cabo Verde.
Autores: Monteiro, João Francisco
Palavras-chave: Viroses
Tomateiro
Incidência
Severidade
TYLCD
DAS-ELISA
Data: 12-Abr-2012
Editora: ISA - UNI-CV
Resumo: Sintomas atribuídos ao vírus do Frisado Amarelo do Tomateiro (TYLCV) e ao vírus do Mosaico do Tomateiro (ToMV) são frequentemente registados em solanáceas em Cabo Verde e a eles associam-se prejuízos em culturas, sobretudo de tomate. Para confirmar a presença de TYLCV e ToMV em solanáceas em Cabo Verde, avaliaram-se por teste DAS-ELISA 16 amostras de plantas das espécies Solanum lycopersicum, S. melanogena, Capsicum annum e C. frutescens com sintomas de viroses. Determinou-se ainda a presença de TYLCV e ToMV em seis lotes de sementes de três cultivares de tomateiro, “Calor”, “CV01” e “Produtor”, produzidas no país em 2008 e 2009 e em plantas provenientes dessas sementes. Finalmente avaliou-se a incidência de viroses e a produtividade em ensaios instalados com plantas obtidas dessas sementes. TYLCV foi encontrado em 10 das amostras de solanáceas estudadas, constituindo S. lycopersicum, S. melanogena e C. annum plantas hospedeiras do vírus em Cabo Verde. Por sua vez, ToMV foi registado numa amostra de S. lycopersicum. TYLCV foi detectado em sementes das três cultivares estudadas e ToMV nas sementes da cv. CV01. Nos ensaios de campo detectou-se apenas TYLCV que surgiu em amostras de plantas de todas as modalidades (cultivar x ano da semente). A média da incidência de viroses registada nos ensaios de campo foi de 0,8% na cv. CV01, 44,5% na cv. Produtor e 51,5% na cv. Calor e as médias das produções no ensaio de S. Domingos foram de 20,6 t/ha em ‘CV01’, 17,4 t/ha em ‘Produtor’ e 11,6 t/ha em ‘Calor’. Mostrou-se que “Tomatinho”, variedade espontânea de S. lycopersicum, e plantas de S. melanogena que são mantidas nos campos para além do ciclo do tomateiro aparecem infectadas por TYLCV, constituindo importante reservatório do vírus.
URI: http://hdl.handle.net/10961/3627
Aparece nas colecções:CNIDA - Documentos INIDA

Ficheiros deste registo:

Ficheiro Descrição TamanhoFormato
Identificação do Vírus do Frisado Amarelo do Tmateiro (TYLCV) e do Vírus do Mosaico do Tomateiro (ToMV), na Cultura de Tomate na Ilha de Santiago, Cabo Verde.pdf1,71 MBAdobe PDFVer/Abrir
Estatísticas

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.

 

NOSI Universidade do Minho  

Portal do Conhecimento  - Comentários - portaldoconhecimento@mesci.gov.cv - Tel. +238 - 2610232

Facebook